17 de mai de 2012

sobre casamentos e essas coisas que não estão nos meus planos

Eu sempre disse que não queria casar. Depois passei pra idéia de que, se eu casasse, só casaria uma vez. E agora, vejamos nós, mudei de idéia novamente.

Eu faço o tipinho romântica que acredita no amor até a última instância. E justamente por esse motivo, a idéia de fazer votos de fidelidade, companheirismo e dedicação até os últimos dias da vida me parecia muito bizarra.

Continuo achando lindo, muito possível e desejando isso pra mim, mais o companheirismo e a dedicação, porque isso sim é importante. Mas não tenho nenhum exemplo próximo que me faça acreditar que isso de casar faça algum sentido.

Primeiro porque vejo muita gente separada e divorciada mais feliz assim do que na condição de casado. É triste que a gente tenha mais habilidade de estragar do que consertar as coisas.
Segundo porque as pessoas que são casadas há anos sempre me dizem que casamento por muito tempo tem que ter mais paciência e jogo de cintura do que amor. É triste pra eles ou pra mim que teimo em acreditar que amar basta?
E terceiro porque me parece uma prisão. É como fechar seu coração. É como entregá-lo para uma única pessoa e obrigar-se a não se encantar por mais ninguém.

Mas, no meu mundo ideal influenciado por conto de fadas, as duas pessoas estariam plenamente satisfeitas com o parceiro e o mundo seria mais bonito e mais feliz porque ela está alí, do seu lado. Não preciso explicar que sou grandinha o suficiente pra saber que a vida tem N problemas, né? Mas, sério, quando a gente está apaixonado e quando a gente se sente amado, as coisas não ficam mais fáceis? Sim, fica.

E aí que a idéia de me ver casada com quem quer que seja me parecia absurda, porque é óbvio que ninguém mais nesse mundo cruel está disposto a segurar firme na mão de ninguém. E, se as coisas desandam, ficam confusas e doem, é claro que terminar um relacionamento é mais fácil.
Eu acho que prefiro o caminho difícil porque, apesar de adorar estar solteira, acho que não sei lidar com separações muito bem. E, sim, se topo começar uma história, não quero deixá-la pra trás. Como dá pra notar, eu queria um relacionamento em que a pessoa não quisesse ir embora. Como eu já tenho muita sorte na vida, acho que pedir isso é pedir um pouco demais, então, decidi ser realista

Não sou contra o casamento, não sou contra o divórcio, não sou contra a solteirice. Sou bem à favor da felicidade.

Mas, vejam só como são as coisas, eu não queria casar, agora se eu casar e e ele quiser partir, talvez eu queira casar de novo. E se mais uma vez um dos dois quiser trilhar caminhos diferentes, talvez eu queira casar de novo... Eu não sei...

Casamento é pra mim uma linda declaração de amor, sabe? São duas pessoas que optaram por dividir a vida juntos e apoiar um ao outro. Eu não consigo ver coisa mais bonita do que isso. E não importa quantas vezes você ame alguém e se sinta amado a esse ponto, afinal, estamos mesmo buscado a felicidade nesse negócio maluco que chamam de amor.

Um comentário:

J. D. disse...

É difícil falar de casamento, porque nem todo amor do mundo é capaz de te prender a uma pessoa eternamente. Houve uma época em que todas as mocinhas sonhavam em se casar, hoje vejo uma época em que o bonito é ser independente (e se quer saber, acho certo). Matrimonio é uma coisa muito séria, e alguns casais são muito felizes assim (independente do tempo que permanecem casados). Eu não vejo o casamento como uma coisa pra mim, primeiro porque amor não é a solução para todos os problemas que uma relação pode ter, e segundo porque pessoas que não levam a vida muito a sério, não devem mesmo casar. Quem sabe algum dia eu mude idéia, mas por enquanto não, obrigada.