11 de mar de 2012

se a palavra é de prata, o silêncio é de ouro.

Só agora, em silêncio é que eu entendo. Bom ainda estou começando a entender... Sejamos pacientes!
Vou ser sincera: prefiro as palavras. Mas, às vezes, a confusão que elas trazem é tão grande que seria melhor que não tivéssemos dito nada. O silêncio também me confunde. Não sei se as coisas mudaram, não sei como estão os planos, não sei quais são os pensamentos, não sei se a saudade está apenas comigo, não sei se ainda existe amor. Não tenho como saber, se ninguém me diz. A vantagem é que nesse momento, não ter certeza me deixa livre para viver feliz apenas com o que tenho, o silêncio. Me angustia um pouco não poder dizer nada, entende? Me sinto presa por não poder ser naturalmente tagarela como sou sempre. Mas é melhor assim. Até escrever aqui, como uma atividade saudável de refletir sem tomar nenhuma atitude precipitada, é cheia de reguladas, deletando todas as palavras que eu não devo dizer.  Aos poucos, eu vou entender que se a palavra é de prata, o silêncio é de ouro. 

Um comentário:

Janayna disse...

pra mim o silêncio é tortura, preciso de palavras. escritas ou faladas.