13 de jan de 2012

Sinto uma saudade grande do tempo em que era metade felicidade e metade ilusão. Não me venha dizer que prefere franqueza, verdade e realidade. Eu não nasci pra uma realidade meia boca. E ando, talvez infantilmente, preferindo àquela ilusão feliz de antes.

Um comentário:

Janayna disse...

na realidade as palavras se perdem, muitas vezes as palavras necessarias são deixadas de lado. infantilmente deixadas de lado. se temos apenas a realidade meia boca, por que não vivê-la intensamente, da melhor maneira possível? talvez assim essa realidade possa ser a tal ilusão em sua forma mais sublime.